Follow by Email

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

A OPOSIÇÃO EFICAZ

Em junho de 2013 milhões foram às ruas contra a corrupção e por melhores serviços públicos de transporte, educação, saúde e segurança. O que ocorreu em 2013 nada tem a ver com as mobilizações que a esquerda costumava liderar no século XX, sob o comando de sindicatos, associações de bairro, entidades estudantis e a esquerda da Igreja. Emergiu no Brasil, assim como na Espanha em 2004, na Tunísia e no Egito em 2011 e na Turquia, Ucrânia e Venezuela mais recentemente, um fenômeno típico das sociedades-rede.

Correndo por fora das organizações tradicionais, milhões de cidadãos conectados pelas mídias sociais saíram às ruas para se manifestar e, sem planejar isso como objetivo, derrubaram ou desestabilizaram governos. Tudo ocorreu sem lideranças, sem organizações de massas, sem projetos de poder e sem controles.

Na eleição que se encerra, essa mobilização em rede reapareceu com a militância a favor de candidaturas de oposição, movida pelo desejo de mudanças. Milhões de pessoas se expuseram nas ruas e nas mídias sociais, não por que estivessem interessadas em cargos no governo ou em receber bolsas estatais. O objetivo dessas pessoas era a defesa das suas liberdades e da democracia, o fim da corrupção e melhores serviços públicos.

Na eleição, parte da sociedade que foi às ruas pacificamente em junho de 2013, aderiu às candidaturas de oposição no primeiro turno e no segundo turno. Os principais candidatos da oposição souberam encarnar o espírito das ruas e traduziram esse sentimento em sua união no segundo turno. Em algumas cidades vimos passeatas mobilizadas por um povo protagonista, fato inédito em eleições tradicionalmente programadas para o povo ser vaca de presépio em comícios teatralizados para militantes idolatrarem líderes.

Fecharam-se as urnas. O PT, até prova em contrário, venceu. O que aconteceria numa eleição tradicional? Os vencedores se auto elogiariam; os derrotados reconheceriam a vitória; o povo se recolheria à condição de expectador passivo à espera do próximo pleito.

Não é isso que acontece. Os cidadãos que não são controlados por partidos seguem nas ruas. Em São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Belém e outras cidades, milhares saíram às ruas dia 01/11/2014 exigindo auditoria da apuração das eleições presidenciais e investigação séria do escândalo do petrolão. No próximo dia 15 estão programadas manifestações em todo o país, com foco na auditoria das urnas e na investigação da corrupção na Petrobrás.

Esse povo se mostra disposto a fazer a oposição que os partidos de oposição nunca fizeram. Essas pessoas estranharam o tom conciliador do Aécio derrotado e aplaudiram a contundência oposicionista que seu ex-candidato a vice, o senador Aloysio Nunes Ferreira, imprimiu à sua primeira fala pós-eleitoral. Aécio recalibrou o discurso e voltou à cena com um vigoroso discurso oposicionista no Senado.

A origem do PSDB não é a rua. O partido nasceu da soma de intelectuais acadêmicos e políticos de centro-esquerda, pretendendo ser uma socialdemocracia de estilo europeu, mas sem as bases sindicais que marcaram o nascimento de seus congêneres do velho continente na segunda metade do século XIX.


O banho de rua que Aécio Neves levou nessa eleição que agora se encerra, foi uma novidade para os tucanos. Se Aécio quer liderar a oposição terá que se deixar liderar por seus liderados nas ruas e nas mídias sociais. Se não o fizer será esquecido; ignorado; atropelado. Não bastará à oposição contestar, apenas na tribuna do parlamento, as medidas autocráticas que o PT pretende implantar para garantir sua perpetuação no poder. Sem povo na rua o Brasil seguirá sua marcha insana rumo à venezuelização.